Globalizar é Preciso

Imprimir

Ou Amar é preciso

Vocês, com menos de 40 anos, talvez, não consigam imaginar a vida sem o uso do plástico ou do xerox, por exemplo. Mas, nós, com mais de 80, nascemos antes disso. E vimos ainda, o telefone à manivela e esta sendo usada também na ignição dos automóveis.

Chegamos à era eletrônica. Tudo ficou mais fácil, mais delicado, mais silencioso e menos volumoso. Com isso o homem moderno usa mais o cérebro do que os músculos. A inteligência desenvolveu-se de tal maneira que uma tecnologia é substituída rapidamente por outra ainda melhor.

A globalização é inevitável e vai chegando aos poucos. Com isto, o globo terrestre está cada vez menor. Dentro de algum tempo seremos como uma grande nação, sem fronteiras, uma só administração. Haverá só uma polícia para manter a ordem e uma constituição única universal. Não haverá mais forças armadas, pois não teremos com quem guerrear. Seremos uma única comunidade, uma mistura de raças ou simplesmente a população da Terra.

Mas, por outro lado, globalizam-se também as técnicas de aprimorar a maldade em todas as suas formas. Vemos o aumento crescente da tortura, assalto à mão armada, o aborto, a violência sexual, o abuso do poder, a calúnia, o suborno, vingança, sonegação de salário justo, corrupção de menores, divulgação e publicação de pornografia, pedofilia, poluição do meio ambiente, desvio do dinheiro e outros bens públicos em proveito próprio, etc. etc. e mais et ceteras.

Em vista dessa distorção de costumes, um grupo de humanos, cônscios de seus deveres (felizmente ainda há gente assim), teve a feliz idéia de criar uma máquina, ou melhor, um computador gigantesco e superinteligente como jamais foi feito (mas isso é ficção, viu!). Essa máquina foi colocada à disposição da humanidade para que nela se digitassem todos os males que afligem o mundo e solicitar solução para exterminá-los.

Dirigentes de todas as comunidades se apresentaram para digitar seus problemas e aguardar a tão esperada solução. Foi colocado na impressora um enorme rolo de papel, pois era esperado metros e metros de redação de uma nova constituição repleta de regras e normas para trazer a paz na Terra. Uma multidão aguardava: repórteres, TV, rádio, enfim, todo o Planeta estava atento, ligado, ansioso pela resposta. Foi premido o “enter”! Expectativa! Um silêncio nervoso dirigia os olhares para a impressora. O que surgiu? Em uma pequena tira de papel de uns dez centímetros, estavam impressos os Dez Mandamentos da Lei de Deus. Nada mais.

Luiz Teixeira da Silva

Agosto de 2002

 

Wednesday the 20th.